vânia mignone

Vânia Mignone / MACC, Campinas, 10 de abril 2019

56828017_1378868122255951_4487686666164633600_o.jpg

Em constante parceria, o Museu de Artes Visuais da Unicamp, MAV-UNICAMP e o Museu de Arte de Campinas, MACC apresentam a produção de dois artistas visuais que tiveram passagem importante de sua formação na Unicamp. São eles: Vânia Mignone, artista graduada em Artes Visuais pela Unicamp e Marcelo Salum, que iniciou sua graduação no IFCH Unicamp, mas acabou seguindo sua formação na FAU USP.

A mostra que ocorrerá de 10 de Abril a 02 de Junho, nas salas 1 e 2 do MACC, traz a produção recente dos artistas, além das obras por eles doadas aos acervos do MAV e do MACC.

As pinturas que serão apresentadas no MAC Campinas provêm da série mais recente da artista e nos permite também perceber sua grande habilidade com o campo simbólico das cores. Nessas obras o sintoma da cor reforça a luminosidade vibrante de amarelos, azuis e verdes combinados aos usuais vermelhos e negros de que se utiliza com freqüência, e evidenciam ânimo de renovação.

fonte: MAV UNICAMP

 

33 bienal itinerante

Captura de Tela 2019-03-22 às 10.01.34.png

Promovido pela Fundação Bienal em parceria com diferentes instituições culturais, programa leva recortes da mostra a cidades no Brasil e exterior

A Fundação Bienal dá início, em março de 2019, ao programa de itinerâncias da 33ª Bienal de São Paulo - Afinidades afetivas, exposição que recebeu 736 mil visitantes no Pavilhão da Bienal, no Parque Ibirapuera, entre setembro e dezembro de 2018. Pela iniciativa, sete cidades brasileiras e uma no exterior já estão confirmadas para receber recortes da mostra: Belo Horizonte (MG), Campinas (SP), Vitória (ES), São José do Rio Preto (SP), Juiz de Fora (MG), Brasília (DF), Porto Alegre (RS) e Medellín (Colômbia).

 
Captura de Tela 2019-03-22 às 09.14.34.png

em campinas no sesc

Um recorte com nova configuração da mostra que ocorreu no Pavilhão da Bienal de São Paulo em 2018.
A exposição no Sesc Campinas traz obras dos artistas: Alejandro Cesarco, Antonio Ballester Moreno, Ben Rivers, Benjamín Palencia, Claudia Fontes, Denise Milan, Feliciano Centurión, Katrín Sigurdardóttir, Ladislas Starewitch, Matt Mullican, Oliver Laric e Vânia Mignone.
Curador: Jacopo Crivelli Visconti.

fonte:  portal CBN

fonte: portal CBN

Com o tema “Afinidades Afetivas”, a exposição conta com um recorte da mostra que ocorreu no Pavilhão da Bienal de São Paulo. A mostra pode ser conferida de graça , de terça a sexta das 9h às 21h30 e aos sábados, domingos e feriados, das 10h às 18h.

A  Itinerância da 33ª edição da Bienal de Artes de São Paulo permanece para visitação no local até 16 de junho. A entrada é de graça.
O Sesc Campinas fica na Rua Dom José I , 270 , no Bonfim.

3312d950a3887284f888de85a9c1e098.jpg
 

Vânia Mignone na UNICAMP / Campinas /fev 2019

 
51771392_1046704885520921_7564267608254447616_n-1.jpg
Captura de Tela 2019-02-22 às 11.23.44.png
 

Vânia Mignone na fcdp / fundación para el desarrollo de la pintura
Las Palmas de Gran Canaria, Espanha

WhatsApp Image 2019-01-28 at 07.35.41(1).jpeg
 

Entrevista Vânia Mignone - Canal Arte1
programa foi ao ar em 27.12.2018

agradecimentos ao canal arte 1 pela liberação deste vídeo

 
VM00546_FilipeBerndt.jpg

Art Basel Miami Beach

vânia mignone . sem título [untitled], 2018 . acrílica e colagem sobre papel [acrylic and collage on paper], 42 x 28 cm cada [each] . art basel miami beach . casa triângulo . booth g29 . 06.12.2018 - 09.12.2918 #vaniamignone @artbasel #abmb2018 @casatriangulo #casatriangulo

 
Captura de Tela 2018-11-27 às 10.19.21.png
 
 
Captura+de+Tela+2018-08-21+às+08.03.27.png

áudio: Nesta edição, o editor do Caderno 2 Ubiratan Brasil conversa com Vânia Mignone, artista que está na edição 2018 da Bienal de Arte de São Paulo. clique acima para direcionamento!

 

vânia mignone . 33 bienal de são paulo-afinidades afetivas [affective affinities] . projetos individuais [individual projects] . curadoria de gabriel pérez-barreiro . imagens [images]: o último pôr do sol, a gente conversa aqui e [and] certezas derretidas, 2017 . acrílica sobre mdf [acrylic on mdf], 300 x 240 cm cada [each]
texto e imagens do instagram casa triangulo

 
 

áudio: nando reis comenta sobre o trabalho de vânia mignone

fundo_vania.jpg
 

#33bienal

vídeos

 

A arte está próxima de você?
Vânia Mignone conta sobre seu primeiro susto com uma obra de arte.
O acesso que eu tive a grandes museus, a grandes obras de arte, foi muito restrito durante toda a minha infância e adolescência. Embora morando tão próxima de São Paulo, não tinha esse hábito na minha família de frequentar museus nem nada. O hábito em casa era de escutar música popular brasileira, museus não. Mas alguém em casa – deve ter sido minha mãe – colecionou um fascículo de uma coleção de banca de revista, e esse fascículo era dos Impressionistas. E tinha um trabalho do Gauguin. Eu achava aquilo tudo tão maravilhoso, um colorido forte, os traços pretos que hoje em dia aparecem no meu trabalho... achava aquilo lindo mas absolutamente inacessível. Era um mundo assim: "Olha, existem grandes artistas que estão em museus e é um mundo completamente separado do seu, não existe nenhum tipo de proximidade possível ali"

Nunca discuti isso também porque nunca pensei sobre isso. Mas quando eu, fazendo faculdade de Publicidade, vim conhecer o MASP, dei de cara com um trabalho que eles têm do Gauguin... eu levei um susto! Um tal susto que estou hoje falando sobre isso. Porque eu vi ali a tela, que era um tecido muito rústico, talvez um saco mesmo que ele tenha usado para pintar, lugares onde a tinta estava muito empelotada, várias camadas, uma em cima da outra, lugares em que a tinta estava ralinha, que você via a tela... resquícios, acho que de areia... Eu falei: "Meu Deus! É tão bonito quanto o outro que eu conhecia, mas ele ele é próximo!"

Essas irregularidades, essas dificuldades todas, que eu vi no trabalho pessoalmente, que eu não vi através da impressão... Eu falei assim: "Meu Deus! Se o Gauguin fez, e isso aqui está no museu, e é tão maravilhoso para mim, eu posso também fazer!" Eu trouxe ele para um patamar humano, para um patamar de possibilidades. E isso foi muito importante, porque o trabalho que vou apresentar aqui na Bienal também nasce de materiais muito simples, materiais que não são exatamente preparados para serem obras de arte. E eu acho isso maravilhoso, acho isso incrível. Eu gosto dessa dificuldade, gosto dessa irregularidade. Isso tudo, para mim, parece que o trabalho fica mais quente, fica mais próximo, cria esse laço de "afetividade".

 
convite_vania.jpeg
 

VÂNIA MIGNONE: MÍNIMO, MÚLTIPLO, COMUM

PINACOTECA, SÃO PAULO, BRASIL

19.05.2018 - 17.09.2018

Vâna Mignone participa da exposição coletiva Mínimo, múltiplo, comum, com curadoria de José Augusto Ribeiro, na Estação Pinacoteca. A exposiçnao reúne obras de seis artistas de diferentes gerações. As pinturas selecionadas para a mostra caracterizam-se por figurações simples, planas e sintéticas, às vezes no limiar da abstração. Essas imagens reproduzem, no geral, cenas de solidão – pelo isolamento de seres e objetos, ou pelos espaços vazios, sem presença humana. Realizados a partir de 1960, os trabalhos compreendem, juntos, quase sete décadas de produção pictórica no Brasil.

http://pinacoteca.org.br/visite/pina_estacao/

fundo_vania.jpg